sábado, 14 de abril de 2012

"Sustento que o sentimento religioso cósmico
é o mais forte e o
mais nobre incitamento à pesquisa científica. "

Albert Einstein

terça-feira, 10 de abril de 2012

Degraus da Vida

Uma pessoa me falou essa semana que nossa vida é formada por degraus, e que a cada dia temos que subir e descer, mas que sempre almejaremos o degrau de cima, pois esse é tido como nossos objetivos de vida, nossas perspectivas... Hoje, não sei em qual degrau estou... Talvez esteja descendo por entender diversos acontecimentos que vêm ocorrendo em minha vida.

As reflexões do dia a dia estão mais presentes. As realizações vindas estão sendo captadas com mais simplicidade e as pessoas as quais convivo as vejo de forma diferente, sem querer rotular qualquer conceito ou estilo de pessoa que deva ser.

Os degraus que subimos são somas dos ensinamentos a serem seguidos... Os que descemos são resultados para atingir o ápice do amadurecimento pessoal, revestido pelo manto da humildade e da compreensão para com o próximo. Confesso que desci alguns degraus, e que me deixou um pouco abalado, triste, inferiorizado. Mas não me deixei abater com isso. Lembro-me dos versos de Drummond: “No meio do caminho tinha uma pedra; tinha uma pedra no meio do caminho... Nunca me esquecerei desse acontecimento”. Definitivamente, está pedra foi retirada do meu caminho, estou bem!

As tristezas marcadas fazem parte de nossas vidas, para que delas possam ser extraídos todos os ensinamentos que não quiseram ser aprendidos ou não tiveram a menor preocupação em compreendê-los, se torna uma experiência de vida.

Estou em um novo degrau, subindo cada vez mais. Os degraus alcançados pelas futuras realizações serão efêmeros e imperceptíveis. Deixa-se de lado toda a sua essência, de uma forma quase mecanizada, em busca de outros degraus. Despreza-se o olhar estupefato da reação, o pulsar puro das emoções e o âmago da alegria, partindo para novos desafios e horizontes desconhecidos... As alegrias tidas devem ser vivenciadas intensamente e armazenadas com muito carinho, no fundo das boas lembranças.

Não quero mais nada... Quero apenas continuar meu caminho... Conquistar o topo dos degraus da felicidade. É isso!

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Energia liberada pelas mãos consegue curar malefícios, afirma pesquisa da USP Um estudo desenvolvido recentemente pela USP (Universidade de São Paulo), em conjunto com a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), comprova que a energia liberada pelas mãos tem o poder de curar qualquer tipo de mal estar. O trabalho foi elaborado devido às técnicas manuais já conhecidas na sociedade, caso do Johrei, utilizada pela igreja Messiânica do Brasil e ao mesmo tempo semelhante à de religiões como o espiritismo, que pratica o chamado 'passe'. Todo o processo de desenvolvimento dessa pesquisa nasceu em 2000, como tema de mestrado do pesquisador Ricardo Monezi, na Faculdade de Medicina da USP. Ele teve a iniciativa de investigar quais seriam os possíveis efeitos da prática de imposição das mãos. 'Este interesse veio de uma vivência própria, onde o Reiki (técnica) já havia me ajudado, na adolescência, a sair de uma crise de depressão', afirmou Monezi, que hoje é pesquisador da Unifesp. Segundo o cientista, durante seu mestrado foi investigado os efeitos da imposição em camundongos, nos quais foi possível observar um notável ganho de potencial das células de defesa contra células que ficam os tumores. 'Agora, no meu doutorado que está sendo finalizado na Unifesp, estudamos não apenas os efeitos fisiológicos, mas também os psicológicos',completou. A constatação no estudo de que a imposição de mãos libera energia capaz de produzir bem-estar foi possível porque a ciência atual ainda não possui uma precisão exata sobre esse efeitos. 'A ciência chama estas energias de 'energias sutis', e também considera que o espaço onde elas estão inseridas esteja próximo às frequências eletromagnéticas de baixo nível', explicou. As sensações proporcionadas por essas práticas analisadas por Monezi foram a redução da percepção de tensão, do stress e de sintomas relacionados a ansiedade e depressão. 'O interessante é que este tipo de imposição oferece a sensação de relaxamento e plenitude. E além de garantir mais energia e disposição.' Neste estudo do mestrado foram utilizados 60 ratos. Já no doutorado foram avaliados 44 idosos com queixas de stress. O processo de desenvolvimento para realizar este doutorado foi finalizado no primeiro semestre do ano passado. Mas a Unifesp está prestes a iniciar novas investigações a respeito dos efeitos do Reiki e práticas semelhantes a partir de abril deste ano.
Ocorreu um erro neste gadget